logo
rss  Vol. XV - Nº 241         Montreal, QC, Canadá - segunda-feira, 03 de Agosto de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima

No Restaurante Casa Minhota...

Manuela da Silva: - cozinhar é uma paixão!

Inês Faro

Por Inês Faro

Da qualidade e frescura dos produtos Manuela da Silva, 42 anos, mais conhecida por Nela, não abdica. A chefe do restaurante "Casa Minhota" garante que na sua cozinha só entram produtos naturais. É que para a cozinheira portuguesa os olhos também comem. "A frescura é uma prioridade, os ingredientes frescos são mais bonitos", diz. Prefere o caseiro ao instantâneo e nem os molhos são deixados de fora, já que são de confeção própria. Para preparar os seus petiscos não dispensa os cominhos, os coentros e o alho, ingredientes que elege como os seus favoritos. No que diz respeito aos pratos, o arroz de marisco é o coup de coeur da cozinheira: "Gosto muito do resultado final, adoro ver aquelas cores todas", explica Nela.

 

casa minhota manuela silva
Casados na vida e no trabalho. Nela Silva e José Figueiredo, respectivamente chefe e gerente da Casa Minhota
Foto: LusoPresse

A chefiar a cozinha da "Casa Minhota" há já 20 anos, Nela sabe que para satisfazer os fiéis clientes - alguns já frequentam a casa há mais de 30 anos - tem de aliar a tradição à inovação. "Gosto de procurar receitas na internet, de ler revistas de culinária, ler coisas novas para tirar ideias e pensar em novos pratos", diz a cozinheira portuguesa.

De quarta a domingo, a chefe da "Casa Minhota" chega ao restaurante às 9h30. Começa por receber os produtos que foram encomendados anteriormente e enquanto a colega se encarrega de preparar as saladas, Nela vai preparando os especiais do dia. "Podemos receber 200 clientes num só dia, por isso temos de ter tudo preparado para respondermos aos pedidos a tempo", diz. "O trabalho tem de ser constante", conclui Nela.

"É agradável vir trabalhar, as pessoas colaboram muito, falamos muito entre nós, é um verdadeiro trabalho de equipa", diz. "Somos seis na cozinha e seis na sala e aos fins de semana temos mais duas pessoas a ajudar", explica a chefe portuguesa.

Os dias mais concorridos são também os preferidos da cozinheira portuguesa. "Prefiro cozinhar para muita gente. Quando a sala está cheia, há um ambiente agradável, saem muitos pratos, estamos sempre a preparar coisas novas", diz Nela, que se sente feliz com a sua profissão.

Cozinhar foi também uma paixão que ensinou aos dois filhos. "Desenrascam-se muito bem na cozinha. A minha filha cozinha muito bem e o meu filho também, com 17 anos surpreende-me o que sabe fazer", diz Nela.

E embora se assista ao crescente interesse dos homens pela culinária, para Nela na cozinha Ela [a mulher] é rainha. "As mulheres são mais sensíveis, têm mãos mais habilidosas, mais minuciosas do que o homem", defende Nela.

Depois de um dia à volta dos tachos, muitas vezes até à meia-noite, quando acaba de trabalhar a chefe portuguesa já nem pensa mais em comida. "Saio daqui [Casa Minhota] já nem quero jantar e quando não trabalho nem quero cozinhar", diz. "É uma profissão muito cansativa", conclui.

Casa Minhota

Em atividade há 34 anos, o restaurante "Casa Minhota" no coração do bairro português, continua a ser um dos restaurantes de referência da comunidade portuguesa, que representa ainda hoje cerca de 40% da clientela. É um caso de sucesso, como prova a clientela fiel. "Temos clientes que foram batizados aqui e que agora veem batizar os seus filhos", diz com um sorriso José Figueiredo, 49 anos, gerente do restaurante há quase 20. O tempo fez da "Casa Minhota" também a sua, já que este beirão faz questão de tratar os clientes como convidados. A simpatia e a humildade de José Figueiredo, como de resto de toda a equipa, assim como o caldo verde, a salada de polvo, o chouriço grelhado, a carne de porco à alentejana, o bacalhau grelhado, e outras pérolas da gastronomia portuguesa (aquelas natas do céu!) fazem deste restaurante português uma casa a que apetece sempre voltar.

Informações úteis sobre o restaurante "Casa Minhota":

Aberto todos os dias das 10h00 às 24h00, só fecha no dia 24 e 31 de Dezembro. Tem lotação para 110 pessoas e uma sala para festas ou jantares de grupo. Todos os dias à hora do almoço tem os pratos especiais a preços entre os 12$ e os 15$. Está situado no número 3959, do Boulevard Saint-Laurent, Montreal. T: (514) 842-2661.

Bacalhau com camarão (para 4 pessoas)

Ingredientes

  • 2 kg de batatas
  • 1 kg de camarão
  • 4 postas de bacalhau
  • 2 cebolas pequenas
  • 2 dentes de alho
  • Azeite
  • 1 cubo de Knorr de peixe
  • 2 colheres de farinha maisena
  • 250 ml de natas a 35%
  • Sal e pimenta

Preparação

  • Descascam-se as batatas e cortam-se em cubos pequenos.
  • Frite as batatas no óleo.
  • Coze-se o bacalhau e desfia-se em lascas.
  • Reserva-se a água do bacalhau.
  • Aloura-se a cebola e o alho no azeite.
  • Junta-se a batata e o bacalhau ao preparado anterior.
  • Preparação do creme
  • Com a água do bacalhau, mistura-se a farinha maisena, o Knorr e as natas.
  • Leve ao lume, mexendo sempre.
  • Adicione sal e pimenta ao gosto.
  • Quando ferver, junta-se o camarão.
  • Por fim, num tabuleiro, põe-se uma camada do preparado de bacalhau e outra de creme de camarão.
  • Leve ao forno até alourar.

Receita da Nela do restaurante Casa Minhota

O tempo no resto do mundo

Acordo Ortográfico

Apesar das resistências encontradas na imprensa portuguesa em geral, o LusoPresse decidiu adoptar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa pelas razões que já tivemos a oportunidade  de referir noutro local.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.
 
Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020