logo
rss  Vol. XV - Nº 238         Montreal, QC, Canadá - sexta-feira, 21 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowArquivos arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima



Penso, logo insisto *

Senhor Presidente


José Niza

jose-niza

Na noite das eleições V.Ex.ª proclamou-se como o "Presidente de todos os Portugueses, sem exceção".

Não obstante ter sido professor de economia e finanças - e portanto especialista em números - permita-me a ousadia de humildemente chamar a Vossa atenção para umas contas que fiz.

Nos cadernos eleitorais estavam inscritos 9,6 milhões de Portugueses, dos quais mais de 5 milhões não quiseram votar. Dos restantes 4,5 milhões, votaram em V.Ex.ª exatamente dois milhões e duzentos e trinta mil eleitores. Isto é, apenas 23% dos quase 10 milhões. Feitas as contas - e por mais desagradável que isto possa significar para V.Ex.ª - 77 % dos Portugueses não votaram em si. 77 % !!! É muita gente.

Não quer isto dizer que o Senhor Presidente não tenha sido democraticamente eleito, aliás até com larga vantagem sobre todos os seus adversários. Mas daí a autodenominar-se o "Presidente de todos os Portugueses" vai uma grande distância: exatamente a de sete milhões e quatrocentos e nove mil compatriotas nossos que se recusaram a votar em si.

V.Ex.ª é portanto, e legitimamente, o Presidente da República Portuguesa. Mas está muito longe de ser o "Presidente de todos os Portugueses, sem exceção". É que há mais de sete milhões de exceções. E eu, convictamente, sou uma delas.

É preciso recuar até Américo Tomás para encontrar um Presidente com as características que V.Ex.ª revela e exibe. Depois de Mário Soares, de Jorge Sampaio, e até de Ramalho Eanes, é difícil imaginar que no Palácio de Belém - e por mais cinco anos - se albergue um inquilino tão inculto, tão rancoroso e tão bota de elástico.

Politicamente falando - que questões como as do BPN ou casas de praia não são por ora para aqui chamadas - o primeiro mandato de V.Ex.ª ficou conspurcado pela inapagável maquinação das inventadas "escutas" à Presidência por parte do Governo. Por Vossa iniciativa - ou com a Vossa complacência, o que vai dar no mesmo - V.Ex.ª permitiu que um seu assessor, Fernando Lima, levasse até ao jornal Público essa reles, ignóbil e bombástica inventona, a qual, aliás, foi imediatamente desmentida e desmontada pelo Diário de Notícias com provas documentais incontestáveis.

Quando um Presidente da República se envolve, ou se deixa envolver, numa operação tão suja como a que foimontada contra o Primeiro Ministro - ainda por cima em período eleitoral - está a cometer o maior crime de lesa lealdade institucional que pode ocorrer entre órgãos de soberania. E está a descer às profundezas mais profundas da ignomínia torpe e da "vil baixeza".

Durante a campanha eleitoral V.Ex.ª foi confrontado - legítima e democraticamente, como acontece em qualquer democracia digna desse nome - com factos e situações da sua vida privada que envolveram negócios, dinheiros, casas de praia, etc. Solicitado a esclarecê-los V.Ex.ª optou pelo silêncio. E, pior ainda, pelo insulto da paranoia política.

É público e notório que, por mais voltas que se deem a essas trapalhadas, todos os caminhos vão sempre dar ao BPN, aos seus amigos do BPN, aos seus ex-ministros e secretários de Estado do BPN. E o País fica sem saber se, afinal, foi V.Ex.ª quem os chamou, ou se são eles que o perseguem.

Mas, o que é incontestável é que o gangue de malfeitores do BPN que provocou nas finanças portuguesas o maior rombo da sua história (fala-se em 5 mil milhões de euros!), é constituído por pessoas que V.Ex.ª foi buscar aos "bas-fonds" do anonimato para as levar para os seus governos, para o Conselho de Estado e, até, para a Comissão de Honra da sua candidatura. Até hoje, embora já acusados pela Justiça,V.Ex.ª ainda não teve uma única palavra de condenação desses seus amigos. Porquê? É um mistério que o País gostaria de ver desvendado.

E, já agora, uma última pergunta: se esses seus ex-governantes fizeram o que fizeram no BPN, o que não terão feito em dez anos nos governos de V.Ex.ª?

A tudo isto - ao longo de toda a campanha, e até nos seus lamentáveis discursos da noite das eleições - V.Ex.ª tem chamado de "campanhas sujas" e de "vil baixeza".

Uma vez que qualquer resposta minha mereceria sempre a sua suspeição, recorro às palavras do Bispo D. Januário Torgal Ferreira - numa entrevista à TSF, transcrita no Jornal de Notícias de 25 de Janeiro - sobre o comportamento de V.Ex.ª:

- "Sejamos limpos. Tenhamos a língua também limpa, não só as mãos, na versão jurídica italiana, tenhamos também a consciência limpa e depois a língua limpa..." " ... Eu, como cidadão, escutei o silêncio."

*Fonte: O Ribatejo

O tempo no resto do mundo

Acordo Ortográfico

Apesar das resistências encontradas na imprensa portuguesa em geral, o LusoPresse decidiu adoptar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa pelas razões que já tivemos a oportunidade  de referir noutro local.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.
 
Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020