logo
rss  Vol. XV - Nº 238         Montreal, QC, Canadá - sábado, 04 de Abril de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowArquivos arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima

Na Universidade de Montreal

Vasco Araújo e «As vozes do outro»

Por Carlos de Jesus

 

vasco araujo - ecos
Ecos

De passagem por Montreal, por ocasião da exposição dos seus trabalhos no Museu de Arte de Joliette, o artista plástico português Vasco Araújo, sob a égide do Departamento da Cultura Portuguesa, deu uma conferência na Universidade de Montreal no passado dia 28 de janeiro.

A assistência - para uma conferência a meio dum dia de trabalho - era substancial, particularmente devido ao interesse demonstrado pelos alunos e professor da faculdade de artes daquela universidade.

A temática da apresentação girou à volta do processo criativo que esteve na génese das obras vídeo agora expostas em Joliette sob o tema "Les voix de l'autre". Vasco Araújo explicou aos presentes, ilustrando com alguns trechos dos vídeos que fazem parte da sua primeira exposição canadiana, como lhe surgiu a ideia de algumas das suas obras ou como o processo criador se consubstanciou no trabalho final.

"The Girl of the Golden West", de 2004, inspirado pela rececionista negra da Universidade de Huston, Texas, onde esteve a estudar, "O Jardim" de 2005, "About Being Different" de 2007 e a sua última produção "O Percurso", de 2009.

Vasco Araújo mostrou ainda vários excertos fotográficos de exposições e trabalhos que tem efetuado um pouco por todo o mundo, onde constam vitrinas ou expositores com figurinos ora de faiança ora de plasticina, mas todos à volta dum tema preciso. Uma dessas composições, à volta do incesto, utilizou figurinos de porcelana ilustrados com textos do Marquis de Sade.

"Ecos", outra obra original, em que a voz do artista é utilizada pelos seis personagens, homens, mulher e criança, sentados à volta de uma mesa, mostra não só o talento cinematográfico, como o jogo dos planos, da luz e das sombras, mas sobretudo o efeito desconcertante que pode causar no espetador. Na mesma linha, outro vídeo, a de um personagem sentado de costas num bosque e que aos poucos a câmara, num jogo de planos nos vai revelando tratar-se de uma criança que brinca num jardim a apanhar não se sabe bem o quê, para depois a ver entrar num casarão sem fim, arrastando uma trouxa de não se sabe quê, e acabar por nos mostrá-la a montar, como se fora um jogo de Lego, os ossos de vários esqueletos. O título desta obra é "Hereditas" e foi filmado num dos antigos sanatórios de tuberculosos do Caramulo.

Vasco de Araújo faz parte desta nova geração de artistas multiformes e multidisciplinares onde as obras passam por uma narrativa que interpela o espetador, independentemente do meio plástico utilizado.

Os alunos da Universidade de Montreal presentes nesta conferência, estudantes de arte, mostraram-se curiosos e entusiastas pela apresentação. No final foram todos convidados a irem apreciar os trabalhos de Vasco de Araújo no Museu de Arte de Joliette.

Para saber mais sobre este artista queiram ler neste número a entrevista que ele deu à nossa jornalista, Inês Faro.

O tempo no resto do mundo

Acordo Ortográfico

Apesar das resistências encontradas na imprensa portuguesa em geral, o LusoPresse decidiu adoptar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa pelas razões que já tivemos a oportunidade  de referir noutro local.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.
 
Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020