logo
rss  Vol. XV - Nº 235         Montreal, QC, Canadá - sexta-feira, 21 de Fevereiro de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowArquivos arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima

 

Fernando Pessoa morreu há 75 anos

 

fernandopessoa

Lisboa - Os 75 anos sobre a morte de Fernando Pessoa vão ser assinalados com a exibição do "Filme do desassossego", obra de João Botelho inspirada no poeta, que decorrerá no Teatro Nacional São Carlos, em Lisboa.

O filme de João Botelho é uma interpretação para cinema de "O livro do desassossego", de Bernardo Soares, um dos heterónimos do escritor.

Fernando António Nogueira Pessoa, um dos maiores poetas de língua portuguesa de sempre, faleceu em 1935, em Lisboa, com 47 anos.

Aos sete anos foi viver com a mãe para Durban, na África do Sul, onde fez os estudos, o que lhe proporcionou dominar a língua inglesa, na qual escreveu três dos quatro livros que publicou em vida. Regressou a Portugal com 17 anos.

Além de tradutor e correspondente comercial, foi empresário, editor, crítico literário, tradutor, jornalista, inventor e publicitário, ao mesmo tempo que produzia a sua obra literária. "Mensagem" e "Livro do Desassossego".

A longa-metragem inspirada na obra do poeta estreou-se no dia 29 de setembro no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, e está a fazer um circuito de exibição pela rede de cine teatros, teatros municipais e nacionais até, pelo menos, janeiro.

João Botelho decidiu não estrear "Filme do desassossego" no circuito normal das salas de cinema, por considerar que não se enquadra na lógica do cinema comercial, por querer privilegiar a palavra original de Fernando Pessoa.

Do elenco fazem parte Cláudio Silva, no papel de Bernardo Soares, e mais de quarenta atores em curtas participações, como Rita Blanco, Alexandra Lencastre, Miguel Guilherme, Catarina Wallenstein, Laura Soveral, Margarida Vilanova, Ricardo Aibéo, Manuel João Vieira e Marcelo Urghege.

O tempo no resto do mundo

Acordo Ortográfico

Apesar das resistências encontradas na imprensa portuguesa em geral, o LusoPresse decidiu adoptar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa pelas razões que já tivemos a oportunidade  de referir noutro local.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.
 
Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020