logo
rss  Vol. XV - Nº 235         Montreal, QC, Canadá - domingo, 05 de Abril de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowArquivos arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima

A Economia Mundial...

Nas mãos dos tubarões da Financeira

Fernando Pires

Por Fernando Pires

O dinheiro como símbolo da troca de mercadorias anda hoje à deriva da especulação dos tubarões da selva financeira, que se apoderaram dele para controlar o mundo em seu benefício.

Depois do aparecimento da "Aldeia Global", com a comunicação e as novas tecnologias ao seu dispor, o capital da finança pôs a economia mundial de joelhos com a aprendizagem de "códigos referenciais" que, segundo Xavier Emmanuelli, uma vez que se "requer esse alfabeto", ou seja, "existe um modo de emprego" que proporciona "a volta" do roubo legalizado!

Assim, a guerra da moeda apodera-se do controle da finança, e agora, mais do que nunca andamos todos a reboque da suposta lenda dos "trinta dinheiros", que segundo os seus acusadores, "Judas teria vendido Cristo". Ora, a moeda e a troca já existiam antes de Cristo, tendo como símbolos a senha de barro, conchas ou cabeças de gado, na civilização da Mesopotâmia!

Em relação a cabeças de gado, ainda nos anos 60, em Portugal, se trocavam outros animais ou valores por uma junta de bois! É evidente que agora já não estamos na idade média!

Foi também lá para os lados de Sumer, na Mesopotâmia, que as trocas de mercadorias se faziam entre 2334-2279 antes da area Cristã, no reino de Akadia.

E hoje? Hoje, o capital selvagem compra tudo. Elimina o direito à saúde e à educação dos povos. Põe no desemprego famílias inteiras de trabalhadores, que passam a esmolar um direito de sobrevivência. E então para que servem os organismos mundiais tais como: Organização Mundial da Saúde (OMS), Organização de Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), Fundo Monetário Internacional (FMI), Organização Mundial do Comércio (OMC), Organização Internacional do Trabalho (OIT), Organização das Nações Unidas (ONU), G 20, e os Bancos Centrais de cada país?

Como é possível que todos estes organismos internacionais não possam controlar a guerra que se trava atualmente entre o capitalismo financeiro e o capitalismo industrial? Esta roubalheira permite aos ricos e poderosos, como por exemplo Bill Gates, Warren Buffet e Lehman Brotheres (os dois primeiros, os homens mais ricos do mundo), de porém o povo de joelhos, com o suor dos trabalhadores de monopólios que eles controlam?

Segundo Jacques Attali: "é preciso ser-se bem cego, hoje, para não ver que já estamos em guerra, uma terceira guerra mundial, entre pobres contra ricos e de ricos contrapobres. Esta guerra manifesta-se todos os dias, sobre todas as formas, económicas, culturais, filosóficas ou militares.

E quem mexe os cordelinhos da finança? Decerto que não são os Estados das nações, mas a grande finança privada, senhora absoluta, presidida por homens conhecedores do tal código referencial acima mencionado por Emmanuelli. Este médico, refere-se aqui "ao modo de emprego" como especulação, dizendo que na escola "aprende-se uma série de coisas" mas "não se aprende o valor moral do dinheiro ganho ou não ganho". O assalto à economia dos países é a roubalheira fraudulenta da especulação e dos paraísos fiscais onde a finança não tem identidade.

Attali citando um dos coautores de um dos seus livros diz: "o direito mundial é cada vez mais dominado pelo direito dos negócios, ele mesmo dominado pelos acionistas, sobretudo pelos investimentos dos grandes fundos". E Attali acrescenta: "se as nações não são capazes de instaurar, não um lugar de mercado, mas ao lado deste, um governo mundial, então a governança mundial será assegurada pelos mercados e o direito será o direito do capital". A alta finança sabe disso, e as provas existem através de GATES e BUFFET e tantos outros! Não é que estes indivíduos se deslocaram à China para compreender o sistema de caridade do Confucius de Mao-Tsé-Tung?! Resultado, os sessenta e quatro mil homens ricos chineses não apareceram. Os poucos que apareceram não fazem caridade, investem sim, quando há catástrofes naturais no país, não esperando que apareçam Gates e Buffet, para ajudar a reconstruir casos como a catástrofe da "Nouvelle Orléans", quando da destruição de parte da cidade causada pelo furacão Catarina. Felizmente que ultimamente estes dois homens, depois de terem acumulado fortuna, criaram uma fundação.

No encontro do hotel que tiveram com os homens de negócios chineses, perguntaram-lhes como funcionava o sistema de caridade na China. Eles responderam com um provérbio chinês: "se uma pessoa só tem um copo de água, só pode dar de beber a um, se tiver um balde de água ai já poderá dar de beber a uma família, mas se tiver um rio de água, bebe um povo inteiro". Aposto que os dois visitantes americanos tinham entrado mudos e saíram calados!

Ref.: O Sentido das Coisas (Setembro, 2010, Paris, Jacques Attali com Setephanis Bonvicini).

Cadernos, Ciência e Vida (De Sumer a Babilónia, Mesopotâmia, o Berço da Nossa Civilização N-16 - Abril-Maio-2010).

Mundo Diplomático (Setembro, 2010).

Jornal, "Le Devoir", 30/09/2010, 16/17/23/24/2010, 17/18/11/2010.

O tempo no resto do mundo

Acordo Ortográfico

Apesar das resistências encontradas na imprensa portuguesa em geral, o LusoPresse decidiu adoptar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa pelas razões que já tivemos a oportunidade  de referir noutro local.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.
 
Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020