logo
rss  Vol. XIII - Nº 234         Montreal, QC, Canadá - segunda-feira, 01 de Junho de 2020
arrowFicha Técnica arrowEstatutos arrowPesquisar arrowContacto arrowÚltima hora arrowClima
Partilhe com os seus amigos: Facebook

Escolas comunitárias

Mais professores, mais formação e coordenação com ensino oficial

 

appeuc

Nova Iorque - As escolas comunitárias portuguesas nos Estados Unidos e Canadá precisam de mais formação pedagógica descentralizada, professores de língua portuguesa e coordenação com o ensino oficial e Instituto Camões, defende a associação de professores APPEUC.

A conclusão saiu do Fórum da Língua Portuguesa, que terminou domingo na área de Washington DC, tendo reunido pela primeira vez professores de português de todos os níveis de ensino, desde o básico ao universitário, dos dois países, passando pelas escolas comunitárias.

Os participantes no fórum concluíram ser necessária maior articulação e colaboração entre as escolas associativas e as do ensino público local e os centros de português do Instituto Camões e universidades americanas onde se leciona o português.

"A causa da língua portuguesa é uma causa comum e todos temos que trabalhar em conjunto se quisermos implantar a nossa língua na América do Norte", disse Diniz Borges, presidente da APPEUC.

Fernanda Costa, Coordenadora do Ensino do Português nos Estados Unidos, assegurou que o Instituto Camões vai continuar a apoiar os centos de língua portuguesa nas universidades, e também os restantes níveis de ensino, nomeadamente iniciativas das associações.

O "objetivo é continuar a afirmar a língua portuguesa no mundo", disse, pelo que a ação do Instituto "não terá em conta apenas as comunidades, mas todos os que pretendam aprender a língua portuguesa".

Fernanda Costa afirmou que, apesar das contingências orçamentais, o Instituto Camões continua empenhado em alargar a sua ação ao ensino básico e secundário nos Estados Unidos e Canadá e, nesse sentido, reformulou já as Coordenações destes países e prepara a disponibilização de materiais e programas adaptados ao ensino do Português como língua estrangeira.

Acrescentou ainda que um dos grandes objetivos das Coordenações é estabelecer um diálogo entre as comunidades portuguesas e as autoridades escolares locais, departamentos de Educação estaduais e outras entidades, no sentido de se integrar cada vez mais o Português nos currículos das escolas públicas.

Os delegados das APPEUC nos Estados Unidos e no Canadá apresentaram uma perspetiva da situação das escolas comunitárias, concluindo que muitas delas carecem urgentemente de apoio a todos os níveis, nomeadamente de professores.

Exigiram, por isso, um maior investimento na formação pedagógica, através de uma articulação de ações concertadas entre as Coordenações do Português dos Estados Unidos e do Canadá, nomeadamente utilizando os recursos do Instituto Camões e os Centros de Língua Portuguesa nas Universidades, pedido que as Coordenações garantiram estar já a ser implementado no terreno.

Os participantes concluíram também da necessidade de se apostar no ensino do português como língua estrangeira junto das comunidades portuguesas, numa altura em que a emigração para a América do Norte praticamente estancou.

Dulce Maria Scott, uma das conferencistas deste fórum, apresentou os resultados de um estudo onde se concluía que embora o número dos que se dizem portugueses nos Estados Unidos ultrapasse 1,4 milhões, é cada vez menor a percentagem dos que declaram falar a língua em casa.

O mesmo estudo concluiu, porém, que entre os jovens luso-descendentes é grande o orgulho na sua ancestralidade, e que aqueles que aprendiam português tinham geralmente melhores resultados escolares nas outras áreas.

Língua Portuguesa
As escolas comunitárias portuguesas nos Estados Unidos e Canadá precisam de mais formação pedagógica descentralizada, professores de língua portuguesa e coordenação com o ensino oficial...
Escolas comunitarias.doc
O tempo no resto do mundo

Arquivos

Acordo Ortográfico

O que é o novo acordo?

O LusoPresse decidiu adotar o novo acordo ortográfico da língua portuguesa.

Todavia, estamos em fase de transição e durante algum tempo, utilizaremos as duas formas ortográficas, a antiga e a nova.   Contamos com a compreensão dos nossos leitores.

Carlos de Jesus
Diretor

 
LusoPresse - 2020