Edição  Texto

Ano  XIII - Nº 194 Montreal, 18 de Dezembro de 2008 Notícias e comentários da comunidade lusófona
ARTIGOS E COMENTÁRIOS
Tempos & Tempos
Crónica de Natal
Mensagem de Natal de Sexa
Editorial
Blindness
Mario Dumont
Mensagem do Natal e Horario das Celebracoes
O governo conservador

  Editor: Norberto Aguiar
  Director: Carlos de Jesus
  Meteo

Links Úteis

Teia Portuguesa



Carrefour Lusophone


Viragem.net
Páginas de Montreal

Saturnia
Primeira Página Outras Páginas

Vista por Mário Dumont...

A Negação da «Identidade»

Por Fernando Pires

Enviar mail a Fernando Pires Quanto ao papão do multiculturalismo de Pierre Trudeau que M Dumont teme, nós diríamos que, para além de todos os efeitos negativos que possa ter, existe o conceito purista de Trudeau «que era a essência da realidade canadiana» quando instaurou a Carta dos Direitos. O jornal Le Devoir do dia 10/11/2008, publicou nas suas páginas um texto do Sr. Mario Dumont, agora já quase ex-chefe da Acção Democrática do Quebeque (ADQ), onde o chefe da Oposição então candidato a primeiro-ministro, afirmava «Uma Negação da Identidade Quebequense».

Para este efeito o Sr. Dumont reclamava um memorando sobre os cursos de ética e cultura religiosa (ECR), que no seu entender «querem acabar» com a árvore de natal e impor o multiculturalismo de Pierre Trudeau!

Antes de tudo, esta sua intervenção trazia com ela um cunho desesperado e eleitoralista para atingir o eleitorado mais conservador do Quebeque.

Mas a intenção pareceu-nos ir mais longe, para se aproximar dos católicos integristas boinas brancas (berets blancs) e do cardial Marc Ouellet da cidade de Quebeque.

Será que o então pretendente ao posto de primeiro-ministro da Nação quebequense tem um gene superior de «identidade» quebequense superior aos ex-primeiros-ministros René Lévesque e Robert Bourrassa? Ou tentará inspirar-se do abade Lionel Groulx que definia a «alma de uma raça» de «uma filosofia melhor esclarecida, admitindo um outro agente, o agente divino»? Como todos os demagogos deste mundo, o Sr. Dumont, tenta esquivar-se da aproximação de «valores» que tem em comum com os boinas brancas quando escamoteia as intervenções dos jornalistas dizendo que não tem nada a ver com eles.

O Sr. Dumont ignora, talvez! que o «sapin de Noël» tem primeiramente a ver com os povos germânicos do Hemisférico Norte, com lendas medievais, que estes «penduravam nos ramos dos pinhos ofertas como adoração ao Deus pagão do Médio Oriente».

A primeira árvore de natal moderna apareceu na Alface em 1521, e foi introduzida no Quebeque em 1871 pelos mercenários alemães e «particularmente pelo major general von de Brunswick e sua mulher, plantada pela primeira vez em Sorel» e generalizou-se no meio rural em 1920.

Quanto ao papão do multiculturalismo de Pierre Trudeau que M Dumont teme, nós diríamos que, para além de todos os efeitos negativos que possa ter, existe o conceito purista de Trudeau «que era a essência da realidade canadiana» quando instaurou a Carta dos Direitos.

Fernand Dumont diz o seguinte a respeito da Carta do ex-primeiro-ministro Trudeau: mais do que no espírito do Sr. Trudeau, a Carta não é somente uma ferramenta jurídica, é também um enunciado das características fundamentais de uma colectividade em que quaisquer que sejam todos os canadianos estarão em pé de igualdade, sejam eles «quebequenses, franceses, ingleses, judeus, hindus, (albertenses?), todos eles têm os mesmos direitos; não há ninguém especial». Mesmo se Fernand Dumont diz que a Carta foi um «coup de force» Dumont acrescenta que «primeiramente este golpe forçado situava-se dentro da linha da evolução histórica do Canadá».

O editorialista de Le Devoir Bernard Descoteaux não deixa de dizer que, se for preciso, M. Dumont não hesita tão pouco a recomeçar com o velho discurso de 2007, onde ele adulava os reflexos xenófobos sobre o tema dos «accommodements raisonnables».

Quanto a nós, terminamos aqui com as seguintes perguntas. Quais são as componentes que mais podem identificar um povo? As religiões ou as pequenas culturas? Será que as segundas não andaram sempre a reboque das primeiras? Qual é o papel histórico das três grandes religiões dentro de tudo isto que há mais de dois mil anos se reclamam de uma cultura universal?

Ref.: Jornal Le Devoir, 10/11/2008 – 11/11/2008

Le Devoir, 7/11/2000

À la défense de Fernand Dumont, Lendemains de conquête, 1919-1920

Bibliothèque de l’Action française Raisons Communes Fernand Dumont -- Boréal 1995.

Montreal, 12/11/2008



Montreal,Qc, Canadá


Copyright 2004-2006 LusoPresse
All copyrights acknowledged. All rights reserved.