Edição  Texto

Ano  XII - Nº 185 Montreal, 17 de Julho de 2008 Notícias e comentários da comunidade lusófona
ARTIGOS E COMENTÁRIOS
Ensaio para a Lei da Paridade no CCP
Notas de viagem
Como Definir um País Democrático
Editorial
Olho Comunitário

  Editor: Norberto Aguiar
  Director: Carlos de Jesus
  Meteo

Links Úteis

Teia Portuguesa



Carrefour Lusophone


Viragem.net
Páginas de Montreal

Saturnia
Primeira Página Páginas Interiores

Editorial

Melhores tempos

Por Carlos de Jesus

Vão ser milhares de empregos e milhares de milhões de dólares de investimentos que vão ser como um bálsamo para a economia tão abalada desta região. Nestes tempos mornos em que se respira a férias valha-nos a actualidade económica que nos últimos dias tem sido abundante em notícias animadoras para o Quebeque, mas sobretudo para a região de Montreal.

Depois de vários anos de estudos e hesitações, a direcção da Bombardier acaba de anunciar oficialmente que vai começar a construir um novo avião de passageiros, de médio curso, em Mirabel. Vão ser milhares de empregos e milhares de milhões de dólares de investimentos que vão ser como um bálsamo para a economia tão abalada desta região.

Como uma boa noticia nunca vem só – tal como as más – a Pratt & Whitney, o fabricante dos motores do novo avião, embora já instalada em Longueuil desde há muito, considera agora também a possibilidade de abrir uma nova fábrica na região de Mirabel, não só para responder às necessidades da Bombardier mas porque os novos motores, muito mais eficazes em consumo, menos poluidores e menos ruidosos, estão a ter uma grande procura, como se compreende. O preço do petróleo e as emissões poluidoras são factores demasiado importantes para obrigar todas as companhias aéreas a procurarem os aparelhos mais eficazes nesta nova conjuntura.

Claro que todas estas boas notícias não são para se realizar já amanhã de manhã. Ainda há muita água para passar sob a Jacques Cartier até que todos os investimentos se concretizem. Há até alguns cépticos que duvidam que a Bombardier tenha os costados bastante sólidos para fazer frente aos dois gigantes que dominam a aviação comercial, Boeing e Airbus, os quais não vão ficar de braços cruzados numa altura em que o declínio da indústria das viagens é um facto e a competição cada vez mais feroz.

Porque a concretizar-se tal projecto, a Bombardier entra de facto no terreno dos grandes da aviação civil e a região de Montreal, já um dos pólos da indústria aeronáutica do Canadá vai ver consolidada a sua posição como metrópole de alta tecnologia. O que aliás já tarda – não fora a espada de Dâmocles da questão nacional quebequense – considerando que Montreal reúne todos os trunfos para ser uma cidade votada às tecnologias avançadas.

Embora demograficamente Montreal se situe apenas em 15º lugar entre as principais cidades norte-americanas, ela ocupa já o nono lugar no campo das tecnologias da informação e o 5º no campo das telecomunicações. Já em 2001, num número da revista americana Wired, Montreal ocupava o 12º lugar entre as principais 46 cidades mundiais da produção de software. E foi a única cidade canadiana a aparecer naquela lista.

Com quatro universidades – duas francesas e duas inglesas – e uma mão-de-obra altamente qualificada, sobretudo graças à nova imigração, esta cidade parece votada a um grande futuro não obstante os clamores d’Hérouxville e seus arredores...

Montreal,Qc, Canadá


Copyright 2004-2006 LusoPresse
All copyrights acknowledged. All rights reserved.