Colóquio na UQAM
Progresso Social e diversidade cultural
LusoPresse, repórter

A Universidade do Quebeque em Montreal – UQAM – por intermédio do CERB – Centro de Estudos Brasileiros –, levou a efeito nos passados dias 11 e 12 de Outubro, o 2 Colóquio Canadá/Brasil em Comunicações, ZLÉA, Progresso Social e Diversidade Cultural. O primeiro colóquio realizou-se em Salvador da Bahia, há dois anos.

Com a presença de vários especialistas canadianos e brasileiros, oriundos das melhores universidades dos dois países, o colóquio iniciou-se pela manhã (9h00), com a cerimónia de abertura. Na ocasião marcaram presença entidades políticas e universitárias.

Dênis de Moraes, Mercantilização cultural e os caminhos possíveis da diversidade foi quem abriu o colóquio. Seguiram-se-lhe António Hohlfeldt (vice-governador do Estado do Rio Grande do Sul), Stephen McDowell (Universidade da Florida), Cosette Castro e Gaëtan Tremblay, que opinaram sobre as Políticas culturais e de comunicação. Daqui foi-se para o almoço.

Na primeira mesa-redonda da tarde, intervieram Volney Campos dos Santos, Marcelo Marinho, Apparecida de Almeida (directora-adjunta do CERB) e Gladis Linhares. O assunto tratado esteve relacionado com A diversidade das línguas nas Américas. Também se falou sobre os Desafios da ZLÉA.

O terceiro tema do dia foi O cinema, instrumento de sensibilização e de consciencialização sociais. Versaram Martin Allor (Universidade Concórdia), Fernando Salis, Celina Alveti, Cynthia Schneider, Marcel Simard e Regina Glória Nunes Andrade. De seguida foi projectado o filme À part des autres, nas instalações do Office national du film, ali mesmo, ao lado. Recorde-se que animaram os ateliers Gaëtam Tremblay, Edgard Rebouças, Luís Carlos Lopes e Michel Buruiana.

As mesas-redondas do dia 12 começaram logo pelas 9h00. E sob a direcção de Juçara Brites o primeiro painel abordou Os Média e os Encontros de Porto Alegre e de Quebeque sobre a ZLÉA. Falaram igualmente da Imprensa, televisão, Internet, responsáveis pelo Progresso Social e Diversidade Cultural. Foram prelectores France Aubin, Denise Cogo, François Demers, Eula Dantas Taveira Cabral e Juliana Santos Botelho (estudante na UQAM).

Depois de uma retemperadora pausa, a mesa-redonda n 5, presidida por Rosa Berardo, contou com a colaboração dos panelistas Éric George (Universidade de Otava), Doris Fagundes, Edgard Rebouças, Laurindo Leal Filho e Luiz Martino. O assunto abordado foi A produção audiovisual de ficção no Brasil e Canadá, estados da situação e desafios.

Depois desta sessão, foram promovidos dois ateliers, o primeiro coordenado pelo professor da UQAM Pierre-Léonard Harvey, e o segundo por Othon Jambeiro, da Universidade Federal de Brasília. Messias Guimarães Bandeira, Juçara Brites, Luís Carlos Lopes e Othon Jambeiro, fizeram parte do atelier 1; Ricardo Nicola (Universidade de Toronto), Luís Chamorro, Nísio Teixeira, Talvani Lange e Clóvis de Barros Filho, marcaram presença no atelier 2.

Antes da sessão de encerramento, às 20h00, houve a projecção do filme Nós em rede, de Fernando Salis, presente no colóquio. A festa de encerramento foi muito concorrida.

Já em fim de festa, os congressistas tiveram a manhã da quinta-feira, dia 13 de Outubro, para visitar as instalações de Rádio-Canadá.

Como rodapé, um agradecimento especial à professora Apparecida de Almeida, pois que sem o seu apoio esta reportagem não teria sido possível.