www.lusopresse .com

  Este espaço está reservado para si !
514-272-0110

www.lusopresse.com - Editor: Norberto Aguiar - Director: Carlos de Jesus

Volume IX - Nº 113 - Montreal, 15 de Março de 2005

 
   
     
Fados no Benfica  
«Noite pequenina...»  
Por Norberto Aguiar  

Chamada de «Grande Noite do Fado», a soirée do dia 5 de Março passada na sala grande do Sport Montreal e Benfica acabou por ser uma noite pequenina de fado, não pela qualidade dos artistas, mas pela pouca aderência de público, pelo menos tendo em consideração as expectativas do seu organizador, o nosso conhecido Octávio Sá. A noite foi ainda pequenina porque meia dúzia de indivíduos, certamente adeptos do fado por um canudo, primaram por incomodar os artistas e os cerca de 60 amantes que se deslocaram à sede do Benfica. É caso para dizer que Octávio Sá, que promove esta iniciativa pela segunda vez, não tem sorte na matéria.


José João, Francisco Valadas e Manuel Luís no Benfica

Bem vistas as coisas, o serão de fados organizado por Octávio Sá, se tem sido levado a efeito numa sala mais pequena, não se esqueça que a sala do Benfica alberga para aí 250!, tudo teria sido diferente, mesmo para os «mata-ratos» que andaram todo o serão a incomodar quem para ali foi imbuído dos melhores propósitos e que era passar um serão agradável na companhia dos músicos, dos fadistas e de amigos, quando não de pais e filhos. E até desembolsaram 12 dólares pelo ingresso na sala.

O resto ficou pela conta dos fadistas José João, Carlos Rodrigues, Fátima Miguel, e Manuel Luís, uma novidade, embora saibamos que é homem de «folias». Também Francisco Valadas quis demonstrar que há por aí fadista que não lhe vale os calcanhares... O Senhor Manuel Travassos completou o ramalhete entre fadistas e guitarristas.

A cobrar o facto da receita da noite ter dado, se é que deu, para arredondar as despesas, quanto mais para enviar para a sede da Cruz Vermelha como era intenção do esforçado promotor. Talvez fique para um próxima tentativa.

Acordeão e castanholas
 Surpresa positiva foi a presença de Manuel Costa - não o via há já mais duma dezena de anos - com o seu acordeão e que na companhia de Joaquim Cunha - é presidente do Oriental - nas castanholas animaram vivamente a plateia com as suas modas minhotas, logo acompanhados pela Fátima Miguel, uma ribeiragrandense dos Açores que pelo seu jeito e dom artístico bem podia ter nascido lá em xisma... Um forasteiro, minhoto, sem a menor sombra de dúvidas, também entrou no «arraial» a quatro. E meteu desgarrada e tudo.

O Fernando Matos, era assim que se chamava, não queria acreditar que aquela «minhota» era da Lombinha, em pleno Oceano Atlântico. Momentos que valeram.


 
 

Voltar ao topo da página
Página principal