www.lusopresse .com

  Este espaço está reservado para si !
514-272-0110

www.lusopresse.com - Editor: Norberto Aguiar - Director: Carlos de Jesus

Volume VIII - Nº 107 - Montreal, 1 de Dezembro de 2004

 
Em Otava  
Comemorações da independência de Angola  
Por José Nisa  

Montreal – A Comunidade angolana no Canadá comemorou o 29º aniversário da independência Nacional de Angola Sábado, dia 13 Novembro 2004, em Otava no Lusitánia-Portuguese Recreation Center. Promovido pela Embaixada de Angola no Canadá, o evento iniciou às 20h00 com um ciclo de actividades culturais, em que se destacaram danças tradicionais angolanas apresentadas por bailarinas angolanas residentes em Ontário, reuniu vários membros das diferentes comunidades de angolanos no Canadá, funcionários da Embaixada e canadianos.

Em mensagem endereçada aos presentes, o embaixador angolano no Canadá, Miguel N`Zau Puna, apelou, a todos compatriotas imigrados neste país, à união em torno dos desígnios nacionais, mormente à estabilização política, social e económica, mantendo os vínculos com a "terra-mãe" através da preservação e promoção dos valores culturais e patrióticos. Defendeu igualmente que "todos somos poucos para a tarefa de edificação de um Estado de Direito e proporcionar o bem-estar para todos os filhos de Angola". Angola não pode superar sozinha os estragos e prejuízos causados pela guerra", ressaltou, destacando, todavia, que cabe aos angolanos em primeiro lugar abordar os desafios do futuro e as tarefas de reconstrução do país. "Infelizmente, o final da guerra não redundou no termo do sofrimento para o nosso martirizado povo, pois temos ainda o país inteiro por reconstruir e feridas por sarar. Mas, os novos desafios que se avizinham constituem factor de união entre os angolanos", advogou.

Ainda nos seus dizeres, o embaixador afirmou que na verdade, a importância política, económica, cultural e social da diáspora deve ser traduzida no exercício dos direitos e deveres consagrados na cidadania. N`Zau Puna destacou também o contributo do Canadá no processo de relançamento da estrutura produtiva nacional, sublinhando que a relação com outros povos deve revestir-se de "uma profunda dimensão humana, pautando-se pela compreensão e respeito mútuo pelos valores superiores do humanismo, da solidariedade, direitos humanos e democracia".

O encontro terminou por volta das 3h00 ao ritmo de músicas angolanas.